KALORIAS

Menu
Fechar

KALORIAS

Alimentação e Sistema Imunitário

Alimentação e Sistema Imunitário

Maio, 2018

“Que o teu alimento seja o teu medicamento e o teu medicamento seja o teu alimento”. Hipócrates (460 a.C.)

A alimentação tem um papel preponderante na manutenção da nossa saúde, na nossa resposta imunitária e na prevenção de doenças. Vários estudos sugerem que o estado nutricional de um individuo é determinante na suscetibilidade do nosso sistema imunitário, isto é, nos nossos mecanismos inatos e adaptativos que nos protegem de agressores externos como vírus, bactérias e fungos. O consumo de lípidos (nomeadamente ácidos gordos, colesterol ou vitaminas lipossolúveis), glucose, oligoelementos (como o ferro e o zinco) afetam este sistema de proteção do nosso organismo.

O que devemos, então, considerar para potenciar o bom funcionamento do nosso sistema imunitário?

Aminoácidos: sabe-se que uma alimentação deficitária em proteínas ou aminoácidos prejudica a função imunitária e aumenta a suscetibilidade a doenças infeciosas. Aminoácidos como a glutamina, por exemplo, tem-se demonstrado essencial no funcionamento da resposta imunitária, na medida em que fornece energia às células do sistema imunitário e a sua deficiência contribui em parte para a imunossupressão (diminuição da resposta imunitária) em situação de stress como infeção generalizada ou cirurgia. Exemplos de boas fontes deste aminoácido são a o ovo, beterraba, repolho, carne de vaca e a proteína whey.

Lípidos: diversos estudos referem efeitos benéficos dos ácidos gordos nas respostas imunitária e inflamatória dos seres humanos, destacando-se os ácidos gordos polinsaturados ómega-3 e ómega-6. O corpo humano é capaz de produzir os ácidos gordos que necessita exceto o ácido linoleico (LA) – ómega-6 – e o ácido alfa linoleico (ALA) – ómega-3 – sendo necessário o seu aporte através da alimentação. Em menor escala, o nosso corpo consegue converter o ALA noutros ácidos gordos ómega-3 (EPA e DHA), como tal deveremos complementar a sua obtenção com fontes alimentares dos mesmos (algas marinhas, peixes gordos e óleos de peixe). Por sua vez, óleos vegetais (amendoim, soja, girassol…), frutos oleaginosos, cereais integrais e sementes são boas fontes de ómega-6. Importa ressalvar que a relação de ingestão de ómega-3:ómega-6 a privilegiar é de 3:1.

Vitaminas: as vitaminas são constituintes essenciais na nossa alimentação, salientando as vitaminas lipossolúveis A e D, cujos estudos nos últimos anos têm revelado um efeito crucial na resposta imunitária. Pelo seu carácter antioxidante as vitaminas C, E e algumas do complexo B (por exemplo a vitamina B6) também influenciam positivamente as defesas do nosso organismo. As fontes alimentares mais ricas em vitamina A são: fígado, produtos lácteos e peixe. Já o ovo consiste numa boa fonte de vitamina D. Podemos aumentar o nosso aporte de vitamina E ao consumir gérmen de trigo, sementes de girassol, amêndoas e avelãs. A vitamina C, comumente reconhecida pelo seu efeito no sistema imunitário, pode ser adquirida pela ingestão de frutas como a goiaba ou citrinos (toranja, laranja…).

Ferro: este mineral tem sido descrito como tendo uma correlação negativa no sistema imunitário tanto aquando duma ingestão deficitária ou excessiva, sendo preponderante um equilíbrio na sua obtenção. O aporte de ferro pode ser através do consumo de produtos animais (p.e. carne, marisco) ou vegetais (leguminosas, nozes, vegetais crus). A sua absorção difere consoante a sua fonte, animal ou vegetal, sendo a segunda de mais difícil absorção. No entanto, podemos potenciar a absorção do ferro de origem vegetal pela combinação com alimentos ricos em vitamina C.

Probióticos: definidos como alimentos que contém microrganismos vivos que, quando administrado em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro. O seu efeito benéfico tem sido demonstrado em muitas doenças, estando o seu mecanismo de ação relacionado com a regulação da resposta imunitária do hospedeiro. São encontrados no kefir, iogurtes, kimchi, leitelho e chucrute (por exemplo).

Outros alimentos como o gengibre e o alho também parecem ter uma ação benéfica nas defesas do nosso organismo.

Em suma, a alimentação tem efetivamente um papel preponderante no reforço do nosso sistema imunitário e a inclusão diária de alguns dos alimentos acima referidos poderá ajudar não só a melhorar a sua saúde como a reduzir o tempo de recuperação de uma constipação.

.

Bibliografia:
Verma, M., Hontecillas, R., Abedi, V., Leber, A., Tubau-Juni, N., Philipson, C., … Bassaganya-Riera, J. (2016). Modeling-Enabled Systems Nutritional Immunology. Frontiers in Nutrition, 3, 5. http://doi.org/10.3389/fnut.2016.00005
Wolowczuk, I., Verwaerde, C., Viltart, O., Delanoye, A., Delacre, M., Pot, B., & Grangette, C. (2008). Feeding Our Immune System: Impact on Metabolism. Clinical and Developmental Immunology, 2008, 639803. http://doi.org/10.1155/2008/639803
Calder P, Yaqoob P. Glutamine and the immune system. Amino Acids. 1999;17:227–241. http://doi.org/10.1007/BF01366922
Li, P., Yin, Y., Li, D., Woo Kim, S., & Wu, G. (2007). Amino acids and immune function. British Journal of Nutrition, 98(2), 237-252. http://doi.org/10.1017/S000711450769936X
Michael Gleeson; Dosing and Efficacy of Glutamine Supplementation in Human Exercise and Sport Training, The Journal of Nutrition, Volume 138, Issue 10, 1 October 2008, Pages 2045S–2049S, https://doi.org/10.1093/jn/138.10.2045S
https://www.precisionnutrition.com/all-about-glutamine
http://www.eufic.org/en/food-today/article/the-importance-of-omega-3-and-omega-6-fatty-acids
http://www.apn.org.pt/documentos/ebooks/E-book_pescado_Final_High.pdf
Mora, J. R., Iwata, M., & von Andrian, U. H. (2008). Vitamin effects on the immune system: vitamins A and D take centre stage. Nature Reviews. Immunology8(9), 685–698. http://doi.org/10.1038/nri2378
https://www.dietitians.ca/Downloads/Factsheets/Food-Sources-of-Vitamin-A.aspx
https://www.dietitians.ca/Downloads/Factsheets/Food-Sources-of-Vitamin-E.aspx
https://www.dietitians.ca/Downloads/Factsheets/Food-Sources-of-Vitamin-C.aspx
https://www.precisionnutrition.com/all-about-probiotics
Erika Isolauri, Yelda Sütas, Pasi Kankaanpää, Heikki Arvilommi, Seppo Salminen; Probiotics: effects on immunity, The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 73, Issue 2, 1 February 2001, Pages 444s–450s, https://doi.org/10.1093/ajcn/73.2.444s
Yan, F., & Polk, D. B. (2011). Probiotics and immune health. Current Opinion in Gastroenterology27(6), 496–501. http://doi.org/10.1097/MOG.0b013e32834baa4d

.

Por: Ana Couto: Nutricionista do clube de saúde Kalorias EXPO, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº 2367N
Partilhe com os seus amigos

Escreva um comentário


O seu endereço de email não será publicado.

KALORIAS


CLUBE DE SAÚDE

Compro